Câncer de Mama – Estágios e Tratamento

cancer estagios e tratamentoO câncer de mama é um dos diagnósticos mais temidos pelas mulheres, especialmente por sua alta incidência e taxas de mortalidade. Contudo, quando diagnosticado em sua fase inicial, a doença tem um índice de cura que chega a 100%. Por isso, a prevenção e a conscientização é fundamental, já que quanto mais cedo  for feito o diagnóstico, maiores as chances de cura.

Aparecimento de nódulos, normalmente detectados pelo auto-exame; mudança no formato das mamas e dor local são alguns dos sintomas mais comuns que podem indicar a patologia. Nesses casos, a mamografia é o caminho mais indicado, independentemente da idade. O Instituto Nacional do Câncer recomenda que as mulheres façam a mamografia pela primeira vez entre 35 e 40 anos, a cada dois anos entre 40 e 49 anos e anualmente depois dos 50 anos, com exceção para os casos de risco. Além disso, os exames clínicos rotineiros devem ser feitos anualmente e o auto-exame todo mês, depois da menstruação.

O diagnóstico definitivo de uma lesão pode ser realizado por uma punção mamária, onde acontece a retirada de uma amostra do tumor. O câncer de mama passa por vários estágios, sendo que a cada um deles são indicados tratamentos diferentes, com chances de cura variadas.

Estágios do Câncer de Mama:

Estágio 0: Nesse estágio há apenas alterações celulares que normalmente não chegam a formar um nódulo. O diagnóstico, em 95% das vezes, é feito através da mamografia. Nessa etapa, as chances de cura são de 100%, e o tratamento na maioria das vezes é uma cirurgia parcial, aliada à radioterapia.

Estágio I:  Aqui os tumores tem menos de 2cm e os gânglios ainda estão preservados. O diagnóstico pode ser feito pelo auto-exame, mamografia, exame médico ou mamografia.  O tratamento inclui cirurgia e radioterapia e em alguns casos medicamentos.  Nessa fase as chances de cura ficam entre 80 e 90%.

Estágio II: Os tumores têm entre 2 e 5cm e os gânglios estão comprometidos. O diagnóstico pode ser feito pelo auto-exame, exame médico ou mamografia. Na maioria das vezes é necessário o uso de quimioterapia e hormonioterapia, além de cirurgia e radioterapia. As chances de cura nessa fase são de 50 a 80%.

Estágio III ->  Tumores com mais de 5cm caracterizam este estágio, além dos gânglios auxiliares comprometidos. O diagnóstico pode ser feito pelo exame clinico e pelo auto-exame. O tratamento nessa fase é a quimioterapia, a cirurgia e a radioterapia, com chances de cura caindo para 50%.

Estágio IV:  Essa etapa se caracteriza por tumores de qualquer tamanho na mama, além de outros órgãos atingidos. O diagnóstico nesse caso pode ser obtido com exames clínicos e laboratoriais, ecografia hepática, cintilografia óssea e raio X de tórax. A sobrevida dos pacientes varia de acordo com a localização dos tumores e o tratamento consiste em quimioterapia e hormonioterapia.

Escolha a aba para comentar com um perfil seu:

Seu Comentário

*