Tudo sobre o Câncer de Mama

Câncer de MamaO câncer de mama é um dos principais problemas de saúde das mulheres, com taxas crescentes em todo o mundo. Estima-se que anualmente surjam cerca de 1 milhão de novos casos. Contudo, apesar das estimativas assustadoras, esse câncer é 100% curável quando diagnosticado precocemente, o que pode acontecer com os exames de rotina e a mamografia de rastreamento.

Dessa forma, o diagnóstico precoce é essencial para ajudar a salvar muitas vidas. Por isso, o  Instituto Nacional do Câncer – INCA e o Ministério da Saúde recomendam e orientam uma rotina de procedimentos com o objetivo de facilitar a descoberta da doença. Entre esses procedimentos estão: a realização do auto-exame mensalmente após o ciclo menstrual; um exame clínico todo ano e mamografias de rastreamento, com a primeira sendo realizada entre os 35 e 40 anos, a cada dois anos entre 40 e 49 anos e anualmente depois dos 50 anos. Em casos de histórico familiar e outros fatores de risco, os exames devem ser feitos com uma constância maior, sempre orientados pelo médico especialista.

O sintoma mais comum desse tipo de câncer é o aparecimento de nódulos na mama e/ou na axila, que pode ser acompanhado ou não de dor. Além disso, podem surgir alterações na pele que recobre o seio, bem como em seu formato. Em qualquer um desses casos, o médico consultado deve solicitar imediatamente uma mamografia para detectar ou descartar a hipótese de neoplasia.

Apesar de todos os fatores de risco e dificuldades comuns do tratamento, é possível obter sucesso em quase todos os estágios. Atualmente, mesmo após procedimentos mais invasivos e agressivos, o paciente pode se recuperar e voltar a ter uma vida normal.  Assim, até mesmo nos casos de tumores maiores, com a presença de vários focos malignos ou lesões no centro da mama – onde é necessário fazer uma mastectomia -, o seio pode ser reconstruído. Isso pode ser feito já no mesmo procedimento, através de plástica reparadora com próteses de silicone ou com tecido transplantado do próprio abdômen. Essas reconstituições produzem ótimo efeito estético, restaurando a silhueta do corpo e minimizando o trauma da retirada da mama.

Além dos tratamentos tradicionais – cirurgia, quimioterapia e radioterapia -, muitos outros procedimentos e medicamentos vem sendo desenvolvidos e testados. Muitos deles já estão sendo usados em caráter experimental em pacientes voluntários, obtendo excelentes resultados.

A decisão sobre qual é a melhor alternativa para combater o câncer depende da vontade da paciente depois de conversar com o seu médico, que deverá orientá-la sobre as novas possibilidades de tratamento, bem como sobre as escolhas mais seguras para seu caso.

Comentários

  1. Roberto Gomes disse::

    Boa tarde a todos!!

    Este é um assunto muito sério, o câncer de mama é o câncer que mais mata mulheres no mundo e ainda existem mulheres que se recusam a realizar a mamografia que é o único exame capaz de detectar o câncer no seu estágio inicial onde as chances de cura quando descoberto no início chegam até 95%. Alegam pra não realização que o exame dói, que é caro. Pois bem, quase que amarrada levei minha mãe na POLICLINICA ITAPUÃ, pra realizar sua MAMOGRAFIA que a mesma com 55 anos de idade nunca havia feito. Graças a Deus não deu nada, mas se eu não pegasse e levasse na marra minha mãe ela não faria. Vamos cuidar de quem amamos. INDIQUEM A MAMOGRAFIA. EU RECOMENDO A POLICLINICA ITAPUÃ QUE ALÉM DE BOM ATENDIMENTO TEM UM ÓTIMO PREÇO.

    • Mano Silveira disse::

      Não concordo. A mamografia não é o único exame e além disso o câncer só é detectado quando tem mais de 4 mm, portanto com mais de ano. Há a termografia (que é uma prática legal) que não oferece os riscos da mamografia e detecta a possibilidade de câncer muito antes.
      Há também um aparelho relativamente barato, mas para adquirí-lo somos obrigados a nos tornarmos criminosos(contrabandista), pois a ANVISA não autoriza a importação. Se quizer mais informações, peça: colaboradormm@gmail.com