Mamografia e Exames Complementares

Mamografia e Exames ComplementaresO Ministério da Saúde, aliado ao Instituto Nacional do Câncer (INCA), têm dado cada vez mais ênfase à necessidade da detecção precoce do câncer de mama, para reduzir seus índices de mortalidade.

De acordo com médicos e especialistas, a importância do diagnóstico precoce está na impossibilidade de se prevenir o câncer de mama. Por ser uma patologia com causas variadas, a prevenção é secundária e quanto mais cedo a doença for detectada, mais fácil seu tratamento e maiores as chances de cura.

A mamografia, um dos principais meios de descobrir nódulos precocemente, detecta as possíveis lesões antes que elas sejam perceptíveis pela apalpação, que faz parte do auto exame. A mamografia é indicada para mulheres acima de 40 anos, e especialmente na faixa entre 50 a 69 anos, pelo menos a cada dois anos. Já as mulheres com risco elevado – aquelas com um ou mais parentes em primeiro grau, mãe, irmã, filha, com câncer antes dos 50 anos, além de outros casos específicos – devem fazer mamografias e exames clínicos anuais a partir dos 35 anos.

Confira a seguir os principais exames disponíveis para detectar a enfermidade:

  • Exame de toque: é a apalpação da mama. Por meio de uma espécie de massagem no seio, a mulher ou o médico conseguem detectar alterações estruturais que podem indicar a presença de um tumor. Esse exame pode localizar com facilidade tumores com mais de 2 cm. Ou seja, já com um certo grau de desenvolvimento. O auto-exame deve ser feito uma vez por mês e o exame clinico, pelo médico, pelo menos uma vez ao ano;
  • Mamografia: é um raio X da mama. Médicos e especialistas interpretam os sinais revelados pela imagem e podem observar calcificações ou nódulos nos seios. Essas imagens podem comprovar a existência de um tumor ou tornar necessário outros exames para confirmar o diagnóstico;
  • Ecografia:  é um exame de imagem diferenciado, que usa o ultrassom. Ele complementa os dados apresentados pela mamografia quando necessário, para que o médico possa fazer uma melhor avaliação. É considerado um exame complementar;
  • Ressonância magnética: é um exame ainda mais completo, mas só é utilizado em alguns casos específicos. Ele mostra como ocorre a vascularização dos tumores;
  • Biópsia: é a retirada, por meio de uma agulha bem fina, de material encontrado junto à alteração da mama. Este material é analisado para verificar do que é formado e quais as suas características. A biópsia ajuda a determinar o tratamento mais adequado.

Comentários

  1. Priscila Hedlund disse::

    O difícil não é o diagnosticar que está com o câncer, o difícil é ter que esperar pela assistência do SUS, digo isso porque estou passando por uma situação dessas, Pois no ultimo exame que fiz foi encontrado sete(7) nódulos, mas como eu dependo do SUS para fazer os exames, a demora é grande e o que pode ser ainda remediado e estar em tempo de ser tratado pode não houver mais tempo pela demora das consultas e pelo precário atendimento dos exames. A prevenção do câncer deve sim ser feita, mas apos diagnosticar o problema como é que devemos agir, pois acabamos morrendo antes mesmo de uma consulta, ou quando conseguimos consultar o problema já esta muito mais agravado. mostro minha indi-guinação aqui com o nosso sistema de saúde, pois nada adianta fazer prevenção se no fim dependeremos do SUS e por ele morremos ante de ter uma consulta.
    Priscila Hedlund